21.4.08

Escolhas.

Nas últimas semanas tenho pensado muito sobre escolhas. E consequentemente, sobre aonde elas nos levam.
É engraçado, e assustador, pensar que apenas uma decisão que tomamos possa interferir em toda uma vida. Coisas que na hora parecem simples mas que no futuro terão definido nossa vida.
Quantas pessoas eu não teria conhecido e por quantas situações eu não teria vivido se tivesse escolhido outro lugar para estudar.
Parece bobagem voltar mais uma vez à esse assunto (que me perturba tanto)... Mas, seriam todas nossas escolhas que levaram à nosso atual caminho? Ou esse caminho já era algo que ''era pra ser'', um destino, no qual estaríamos fadados a seguir desde nosso início da vida?
Quantas vezes encontramos pessoas incríveis assim que entramos em uma nova fase de nossa vida, uma fase que para acontecer, teve que dar fim à uma 'vida' anterior... Que somente através da escolha de mudar pôde acontecer.
Quantas vezes nos vemos frente a situações que nunca pensamos estar, mas que quando acontece, temos uma 'sacada' rápida, quase como se já soubéssemos por onde ir. Como se já estivéssemos fadados a seguir por certa direção.
Acho que nada disso faz muito sentido, mas é exatamente o que estou sentindo no momento: essa impotência e incerteza acerca das escolhas.
Tá certo que praticamente sempre foi assim. Mas, vez ou outra, essas coisas se evidenciam mais no decorrer dos tempos.
E é fato que muitas vezes indago aquelas fatídicas palavras: "E se eu tivesse feito de outro jeito?" ou"E se eu tivesse escolhido o lado oposto?". E lá vem mais tempo gasto em suposições e divagações sobre tudo isso...
Já chega né? Que eu não pense mais em escolhas por um bom tempo... xD

11.4.08

Estranhos Momentos

Não existem momentos certos para ser você mesmo
e muito menos momentos certos para dizer o que se pensa,
Momentos que nunca deveriam surgir e que depois que o usamos,
desejamos que aquilo nunca tivesse nos sido dado.

Belos e terríveis são os momentos de solidão,
alegres e agonizantes meus momentos de multidão,
enquanto que tristes e reais os momentos de solidão entre a multidão.

Momentos em que é necessário que se aperte o 'stop'
e de um 'rewind' e em seguida um 'slow-motion'
Só assim pra se digerir certos momentos que se passam rápido demais
para serem compreendidos no exato momento.

Estranhos momentos de confusa sobriedade
e anormais momentos de alterada realidade,
nas quais tudo se converge em silenciosos momentos em que
Contínuas memórias recém guardadas
dividem espaço com as memórias de momentos passados, uma quase vida deixada pra trás,
e aguardam o espaço de momentos futuros.

Pra que aguardar o momento futuro
se o momento presente lhe demonstra total atenção?
Por que imaginar os futuros momentos
se vale mais a pena reavaliar os momentos passados?

Nesse momento não sei e
não sei se em momento algum quero realmente saber...