30.11.08

Blue Angels Air Show

Mais uma do Bright Eyes, não vou colocar o áudio porque tô com preguiça de procurar. =]

É uma música do cd "Noise Floor" de 2006, beeeem densa, pelo menos pra mim.

feliz, então espero que entendam as metáforas e mensagens subliminares aí da canção!

hehehe

Blue Angels Air Show - Show Aéreo dos Anjos Azuis

Claire's turning blonde for the summer I guess
Claire está ficando loira para o verão, eu suponho
The sunlight just soaks into her hair
A luz do sol simplesmente impregna-se ao seu cabelo
And she sits next to me on the motorboat
E ela senta-se perto de mim na lancha
And shyly replies as to which boy she likes at her school
E timidamente retorque ao garoto de quem gosta no colégio
So I am reminded of things I've forgotten
Então eu me recordo de coisas que tinha esquecido
The way doors can open and people just walk in
Do jeito como as portas podem se abrir e as pessoas passarem por elas
It's not unexpected, no, it's just how you planned it
Não é inesperado, não, é justamente como eu planejei

I'm beginning to think that it might never happen
Estou começando a pensar que isso nunca deve ter acontecido

But now it is happening
Mas agora está acontecendo

There's a show we can see at the base outside of town
Há um show que podemos assistir na base do lado de fora da cidade
Where the planes they turn circles in the air
Onde os aviões fazem círculos no ar
I watch you stand next to me with your hand over your mouth
Eu assisto a você, perto de mim, com sua mão sobre a boca

And join the crowds heavy gasp
E se unindo ao forte coro sem fôlego

One for each time they pass overhead
Um para cada vez que os aviões passam sobre as cabeças

So we've been selected in this beautiful lottery
Então nós fomos selecionados para essa bela loteria
We struggled so long but it ended so easy
Nós nos esforçamos por tanto tempo mas tudo terminou tão facilmente

It's starting to surface, all golden and godlike
Começando pela superfície, toda dourada e divina
This feeling we had every day and every night
Esse sentimento que tínhamos, todo dia e toda noite
It bursts in an energy
Ele irrompe-se em energia
A door it is opening
Uma porta está se abrindo

Versos Perfeitos

"Hoje não vou estar esperando pra ver
Toda a vida passar,
O mundo envelhecer!
E se quero insistir, não vá me censurar!
Tento ser mais feliz,
Rezo pra não falhar!
E viver!!
E o que será o fim se começar?"


Não sou de fazer propaganda, mas aí está parte da música de uma das melhores bandas que conheci na atualidade: Terceira Edição.
Vale a pena ouvir!



P.S.: Não sou de fazer muita coisa, mas ultimamente as coisas estão um pouco diferentes.
>.<

28.11.08

Face Sombria

Os momentos da face sombria da moeda já estão fazendo seus efeitos.
A culpa e o vazio dominam ao mesmo tempo em que as demais coisas que me cercam perdem a cor e o interesse. Afinal, pra quê se preocupar com coisa alguma quando coisa alguma faz sentido para você e pra tua vida?
Estranhos momentos de idealização sentimental[óide] nos quais me apego à algo que não sinto. Exalto algo em que não acredito. Busco algo que não possuo, nem mesmo na profundidade de meu ser.
A roda continua a girar, mas não percebo mais o movimento. Estou preso num filme mudo nos quais as cores parecem distorcidas e as faces das pessoas, borradas.
Insisto na rotina e tudo se desfalece.
Raiva, ódio, desespero, sei lá. Não consigo definir.
Mas somente uma coisa me responde: indiferença.
Perceber a vida alheia é doloroso. À cada prova da atividade da vida, meu vazio se alarga e destrói mais um pouco de uma já frágil esperança.
Esperança essa que já começo a perceber não ser mais esperança, e sim senso de sobrevivência. Algo que enquanto respirar, perceberei como a única coisa que me dá idéia de vida própria.
Algo singular, o mais próximo de um sentimento que consigo sentir.
A face sombria ainda me deixa em torpor, num estado estático, no qual quase nada consegue me mover. Apenas uma dor pulsante ecoa na mente, e parece aliviar durante o repouso.
Com um pouco de sarcasmo, lembro-me novamente de Shakespeare, mas agora de seu lado sombrio, assim como o que passo agora:
"Ser ou não ser, eis a questão. Que é mais nobre para a alma: suportar os dardos e arremessos do fado sempre adverso, Ou armar-se contra um mar de desventuras e dar-lhes fim tentando resistir-lhes? Morrer... dormir... mais nada... Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração E aos golpes infinitos que constituem a natural herança da carne, É solução para almejar-se. Morrer... dormir... dormir..."

27.11.08

Um Dia Você Aprende

Não entendo muito bem o porquê dessas últimas postagens.
Essa citação constante de coisas que nem me importo tanto.
Simplesmente me pareceu a coisa certa a se postar, por alguma razão que desconheço, mas que talvez um dia eu chegue a descobrir.
Seria tão mais fácil se eu fosse romântico e simplesmente admitisse que sou um servo desse
"nobre sentimento"... o caso é que não sou nem um pouco romântico.
E quem me conhece, sabe. E não vou perder meu tempo listando porque não boto fé nisso.
Bom, pra hoje:
O fodástico poema de Shakespeare: Um Dia Você Aprende Que...


Depois de algum tempo, você aprende a diferença,
a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se,
e que companhia nem sempre significa segurança.
E começa a aprender que beijos não são contratos
e presentes não são promessas.
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante,
com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje,
porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos,
e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe,
algumas pessoas simplesmente não se importam...
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa,
ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para se construir confiança
e apenas segundos para destruí-la.
E
que você pode fazer coisas em um instante,
das quais se arrependerá pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam,
percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa,
ou nada,
e terem bons momentos juntos.

Descobre que devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas,
pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós,
mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Começa a aprender que não se deve comparar com os outros,
mas com o melhor que se pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser,
e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo,
mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que: ou você controla seus atos,
ou eles o controlarão,
e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade,
pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação,
sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer,
enfrentando as consequências.
Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que, algumas vezes,
a pessoa que você espera que o chute quando você cai
é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiências que se teve,
e o que você aprendeu com elas,
do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens,
poucas coisas são tão humilhantes,
e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva
tem o direito de estar com raiva,
mas isso não lhe dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame,
não significa que esse alguém não sabe amar,
contudo, o ama como pode,
pois existem pessoas que nos amam,
mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém,
algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga,
você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido,
o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás,
portanto, plante seu jardim e decore sua alma,
ao invés de esperar que alguém lhe traga flores...

E você aprende que realmente pode suportar...
que realmente é forte,
e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Nossas dúvidas são traidoras
e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar,
se não fosse o medo de tentar.

Willian Shakespeare

25.11.08

Amor? [No Ironic ¬¬]

Tá, eu não faço o estilo romântico e boa parte das pessoas que me conhece sabe disso.
Mas mesmo assim, resolvi postar essa singela música para a qual não tenho palavras a acrescentar.
=]



Marisa Monte - Bem Que Se Quis

Bem que se quis
Depois de tudo
Ainda ser feliz
Mas já não há
Caminhos prá voltar
E o quê que a vida fez
Da nossa vida?
O quê que a gente
Não faz por amor?

Mas tanto faz!
Já me esqueci
De te esquecer
Porque
O teu desejo
É meu melhor prazer
E o meu destino
É querer sempre mais
A minha estrada corre
Pro seu mar

Agora vem prá perto vem
Vem depressa, vem sem fim
Dentro de mim
Que eu quero sentir
O teu corpo pesando
Sobre o meu
Vem meu amor, vem prá mim
Me abraça devagar
Me beija e me faz esquecer!

Bem Que Se Quis !

Flores De Plástico Mortas


A falsa sensação de viver
Do arranjo de flores plásticas,
Diante do inevitável morrer
Permanecem como imagens estáticas.

O artificial de uma eterna vida,
Reflexo de um curto momento
De um ser repleto de vida,
Mas que terá um encerramento.

Uma beleza capturada,
Mas na verdade apenas definida
Senão totalmente enganada
Pra ser tolamente seguida.

Falsas flores de plástico não vivem,
Mas surgem da mente idealizada.
Também mortas não podem,
Mas são pra sempre amaldiçoadas.

24.11.08

Caffeine Abstinence

Admito. "Mea Culpa".
Pouco mais de 3 meses sem chegar nem mesmo perto de uma fumegante xícara de café ou latinha gelada de coca-cola passaram voando. Mas não suportei mais.
Durante esse tempo, cortei grande [ou melhor: toda] quantidade de cafeína que eu consumia: Cafés, chocolates, coca-colas, etc...
Minha abstinência não foi algo esporádico, pelo contrário! [não faço nada esporadicamente ¬¬]
Foi mais uma busca de auto conhecimento. [orra, profundo ein!]
Mas é sério. Há algum tempo, li sobre a relação direta entre os problemas de ansiedade, depressão e hiperatividade com a ingestão de cafeína em pessoas como eu.
Para "tirar a prova" resolvi fazer esse teste de ficar sem essa tal substância enervante.
Claro que foi muito difícil! Mas percebi um fundo de verdade nisso tudo.
Foi um período um pouco mais estável psicologicamente do que o usual. Claro que isso não prova muita coisa Cientificamente!! Mas, como eu disse, foi uma experiência de autoconhecimento.
Sorver os goles de duas xícaras cheias de café no sábado passado, depois de três meses de "abstinência", foi uma das melhores sensações que tive há tempos!
Sem brincadeira!

20.11.08

Ócio Depressivo

É fim de semestre, concordo. É tempo de estudar, concordo. É hora de ralar muuito, concordo.
Mas tem horas que simplesmente
não dá mais.
Eu, pelo menos, não me vejo e não consigo enfiar minha cara nos cadernos e textos e estudar até à morte. [
vulgo: provas]
Em minhas noites iluminadas, meu lado hiper-responsável é o que mais trabalha. Tento adiantar estudos e afazeres, adiantar coisas e coisas e no fim, obviamente, durmo pouco.
Não to reclamando! [
que fique explícito!] Mas o ruim de trabalhar durante as horas impróprias deixa-me livre no teórico "horário comercial". É, aquele mesmo, das 8h às 18h, onde todo mundo normal trabalha que nem condenado eu fico sem fazer literalmente nada. [reiterando: não to reclamando!!] Mas tenho ao menos que admitir que é uma situação no mínimo chata pra mim.
Bom, mudando um pouco de assunto... [mas ainda dentro das minhas desregularidades] Parece que esse
ócio anormal que estou vivenciando vai me acompanhar muito daqui pra frente, porque é algo que simplesmente está EM mim. E certas coisas não dá pra mudar, não é mesmo?
Pra variar, esse meu momento
ócio-no-fim-de-semestre [coisa mais absurda que já ouvi!] coincidiu com minhas horas desanimadoras da vida. Aquelas velhas conhecidas horas do ciclo infernal. Mas tudo passa né? Ou melhor: tudo se afasta pra voltar depois, porque tudo que vai, volta!
Piadas à parte, o último dia da semana [
porque amanhã é feriado!] foi de um ócio depressivo desgraçado e até mesmo irritante e desesperado. Perdi a hora pra aula, me entupi de porcarias do estilo milkshakes e derivados industriais e que fazem bem ao meu psicológico, passeei na facul, aprendi truques no Corel e assisti muita tv.
Tudo isso no fim do semestre... É, eu tenho problemas.

16.11.08

Sentir É Estar Distraído

Domingo, dia quente, dormindo até altas horas.
Deixando as obrigações de lado, concentro-me em relaxar e esquecer tudo que tenho que fazer.
Dias e dias passam rapidamente até chegar ao esperado fim de semana, e tudo que menos faço é descansar.
É engraçado como as coisas às vezes mudam.
Fins de semana que eram apenas para descanso e agora tornaram-se uma extensão dos afazeres semanais. Triste sentir isso.
Mas hoje vai ser diferente. Ninguém estuda sentindo esse calor infernal, pelo menos eu não.
Tirando o dia pra passar comigo mesmo, ando sem rumo pelas ruas de um centro movimentado, mas num domingo, muito silenciado.
Dou voltas por onde minhas pernas me guiam e não me importo em me atrasar, afinal, hoje tirei férias das obrigações.
Um só dia pra se fazer só o que se quer, sem pensar demais e sem pensar duas vezes.
Passar o dia comendo besteira e não sentir-se mal, dormir à tarde no sofá da sala com uma pilha de textos pra ler... só respirar.
Andar muito, muito devagar. Ou andar pouco, "pouco" devagar.
Na volta pra casa, o vento espalha meu cabelo e passa por meu rosto. Crianças brincam na pracinha e parecem ilustrar uma cena típica de uma feliz tarde de verão.
Estranho, ultimamente tenho me conectado á coisas comuns e percebido coisas que nao via antes.
Coisas que já deviam estar ali, mas que a insensibilidade me cegava. Ou será que a insensibilidade só está me enganando, querendo se travestir para que eu não a perceba?
Como já disse Alberto Caeiro [ou Fernando Pessoa, claro]: "Sentir é estar distraído."
A distração tem me dominado.

11.11.08

Ações Nessa Vida

O pleno exercício da vida é talvez o maior desafio que vejo no caminho que temos de seguir.
Estudar, trabalhar, fazer planos, crescer. Todas essas ações parecem ser cobradas de nós o tempo todo, e de tal modo que toda vez que estamos atrasados, ou que não estamos realizando algo da maneira "correta" existe sempre alguém ali, pronto pra nos apontar o erro e nos lembrar que não somos tão bons quanto desejaríamos ser.
Tá certo que não somos bons em tudo, e esses tropeços são mais do que saudáveis para que nossa vida realmente caminhe. Afinal, tropeços nos derrubam, mas nos fazem levantar e prestar mais atenção no chão em que pisamos.
Dias em que as atribuições da faculdade e outras obrigações tomam meu tempo podem parecer chatas e cansativas, mas a verdade é que nunca estive tão disposto a "fazer as coisas" na minha vida. É, eu sei que é uma fase, mas nada melhor que aproveitá-la e tentar mantê-la pelo maior tempo possível.
Dá pra ver o que eu quero dizer, não? Tudo que fazemos é pra algo futuro, então tudo que fizermos será de alguma utilidade. Nada é feito por não-razão nenhuma.
Saber disso me deixa no meio de uma contradiçao. É bom saber que tudo que tudo que estamos fazendo tem um propósito? Ou é preferível viver as coisas sem pensar nas futuras consequências do que se faz?
Mentalizei isso a partir das obrigações que me dispus a trabalhar na empresa júnior de que faço parte, mas tenho certeza que tal pensamento também pode ser colocado em todas outras questões que temos na nossa vida, certo?
É, voltamos à uma velha questão que [quase] sempre discuto: esse tal propósito de nossas ações, existe mesmo? [!]
Claro que não sei responder à essa pergunta do maior estilo "o sentido da vida", mas como já disse por aqui: por que nos importa tanto saber essa resposta? Tantas e tantas vezes percebo-me fazendo essa tal pergunta "por quê?" ou "é destino?" sendo que considero que a pergunta a ser feita é "pra que saber?" ou "que importa?".
Às vezes não se trata de conseguir as respostas, e sim de somente entender as perguntas. Ou então, mais simplesmente ainda, não existe resposta. Afinal, "Remember, there is no spoon."
É, quem entendeu, entendeu... Quem não entendeu, vai assistir Matrix sem babar pelos efeitos especiais.

6.11.08

That Green Gentleman

Panic At The Disco é uma das bandas que tem ganhado muito espaço no meu PlayList. Sem explicações. Aí segue a melhor música do cd "Pretty Odd". [na minha opinião, óbvio.]



That Green Gentleman - Aquele Rapaz Imaturo

Things are shaping up to be pretty odd
As coisas estão ficando de um jeito bem estranho
Little deaths in musical beds
Pequenas mortes em camas musicais
So it seems I'm someone I've never met
Então parece que eu sou alguém que nunca conheci
You will only hear these elegant crimes
Você só vai ouvir falar desses crimes elegantes
Fall on your ears from criminal dimes
Que chegam aos seus ouvidos através de informantes
They spill unfound from a pretty mouth
Eles fazem fofoca de uma fonte não confiável

Everybody gets there and everybody gets their
Todo mundo chega lá e todo mundo encontra o caminho
And everybody gets their way
E todo mundo encontra seu caminho
I never said I missed her when everybody kissed her
Eu nunca disse que sentia falta dela quando todos a beijavam
Now I'm the only one to blame
Agora sou o único culpado

Things have changed for me and that's ok
As coisas mudaram pra mim e está tudo bem
I feel the same, I'm on my way and I say:
Me sinto o mesmo, sigo o meu caminho e digo:
Things have changed for me and that's ok!

As coisas mudaram pra mim e está tudo bem!

I wanna go where everyone goes
Eu quero ir onde todos vão
I wanna know what everyone knows
Eu quero saber o que todos sabem
I wanna go where everyone feels the same
Eu quero ir onde todos se sentem do mesmo jeito
I never said I'd leave this city
Eu nunca disse que deixaria essa cidade
I never said I'd leave this town
Eu nunca disse que deixaria esse lugar
A falling out we won't tiptoe about
Um desafio sobre o qual não vamos discutir

Things have changed for me and that's ok
As coisas mudaram pra mim e está tudo bem
I feel the same, I'm on my way and I say:
Me sinto o mesmo, sigo o meu caminho e digo:
Things have changed for me and that's ok!

As coisas mudaram pra mim e está tudo bem!

Well, things have changed for me
Bom, as coisas mudaram para mim
Come on everybody let's dance and sing
Venham todos, vamos dançar e cantar
I'm not saying it's all my fault
Eu não estou dizendo que a culpa é toda minha
Come on everybody just know the song and say:

Venham todos só conhecer a música e dizer:

Well, things have changed for me!
Bom, as coisas mudaram para mim!
Come on everybody let's dance and sing!
Venham todos, vamos dançar e cantar!
I'm not saying it's all my fault!
Eu não estou dizendo que a culpa é toda minha!
Come on everybody just sing along!
Venham todos só cantar juntos!

Things have changed for me and that's ok
As coisas mudaram pra mim e está tudo bem
I feel the same, I'm on my way and I say:
Me sinto o mesmo, sigo o meu caminho e digo:
Things have changed for me and that's ok!

As coisas mudaram pra mim e está tudo bem!

Things have changed for me!
As coisas mudaram pra mim!

5.11.08

A Luz Que Não Se Apaga... Infelizmente.

Durante a noite, os demônios fazem a festa, não é o que dizem? [não, eu que tirei isso da cabeça...]
Fazem a festa em minha mente.
Enquanto meu corpo jaze inerte sobre a cama entre as cobertas, minha mente parece entrar em transe e se transporta para um mundo à parte.
Lúcidos e incoerentes pensamentos percorrem-me por uma infinidade de assuntos, dos quais poucos fazem sentido e mal me lembrarei na manhã seguinte.
Vozes inquietas perturbam-me misturando passado, presente e futuros diversos e difusos.
Cenas do que fiz, do que pretendo fazer e do que me arrependo de não ter feito seguem-se na frente de meus olhos.
Parece um longo filme nonsense sem previsão de ter um fim.
As horas passam e a jornada continua. O corpo reclama, a cabeça dói, os olhos ardem...
...mas a mente não se importa. Continua acesa, ligada no último volume de um incômodo som insônico dolby-surround.
A cidade lá fora, parcialmente quieta. Carros cortam a noite e murmúrios longínquos interrompem o silêncio. A cidade, carros e vozes, com certeza, não adormecidos.
Mas nem tão acordados quanto a minha mente.
Uma luz insistente que não se apaga.
Uma luz irritante e perturbadora que produz mais sombra do que o normal.
Ah, O normal. O estado perfeito e entendível das coisas. O patamar que não alcançarei, mas que já não me importo mais em possuir.
As horas continuam a passar, mas a maldita luz permanece acesa.
Dormir para quê?!
Como diria aquele velho vilão do cinema: "Dormir é para os fracos."
E dá-lhe mais torpor...