30.9.09

There, There

As coisas sempre tomam seu rumo na hora certa.
Acho que chegou a hora de contar um episódio bizarro da minha vida nesse blog...

Muitos podem dizer que é besteira, mas uma das coisas que mais posso dizer que me marcou na minha vida inteira, até hoje, foi um sonho. Nem mesmo sei se posso chamar de sonho, acho melhor pesadelo mesmo.
E não era um simples sonho/pesadelo, mas um recorrente. Lembro-me de ter acontecido repetidas vezes desde que era pequeno, lá pela idade dos dez ou doze anos, acho.
Bom, lá vai...

O sonho sempre era o mesmo. Numa floresta na qual eu não enxergava nada colorido. Tudo estava em preto, branco ou em diversos tons de cinza, mas nada mais alegre ou iluminado que isso. As altas árvores pareciam velhas e parcialmente mortas sem o verde, e o céu carregado de nuvens cinzas. Um cenário aterrador.
Pois bem, lá estava eu. E não estava sozinho.
Eu tinha a nítida impressão de estar sendo observado. Sabem como é essa sensação? Conhecem essa intuição? Nunca está errada. Nunca mesmo.
Não via meu observador, pela simples razão de eu mesmo estar observando algo à minha frente, algo que se embrenhava pela floresta.

Não sei a razão, mas segui-a.
Sentia no fundo do meu coração que precisava alcançá-la, era uma questão prioritária. Aquela situação toda, vívida e bizarramente real, só tinha um objetivo: eu alcançar a criatura fugindo em minha frente.

Digo criatura porque em momento algum visualizei a tal "coisa" e até hoje não tenho a mínima idéia do que, ou quem, era.

Então, continuei perseguindo a criatura à minha frente.
À medida que avançávamos floresta à dentro, a criatura à minha frente parecia se acelerar, pressentindo que eu a perseguia avidamente. E pior: a outra "criatura", a que me observava, também me perseguia com determinação.

Era uma caçada dupla. Ao mesmo tempo em que eu me esforçava para alcançar a primeira criatura, corria desesperado para que a criatura de trás não me pegasse.
Tenso. No mínimo.


Depois de momentos simplesmente andando rápido, passam-se momentos com os três participantes correndo, um atrás do outro, desviando-se com cada vez mais dificuldade das árvores que crescem cada vez mais juntas, até que o caminho acabou.
De repente, as árvores acabaram e me vi numa imensa clareira, nos mesmos tons de cinza que todo o resto. Olho ao redor e vejo, ao longe, no limite da clareira, um tronco de árvore tombado ao chão. De certo modo, o tronco parece até mais iluminado que o resto do cenário.
Sei que a "coisa" que persigo está ali. Adianto-me apressadamente e vejo a árvore se aproximar, se agigantar, e então...
... sinto que a "coisa" que me perseguia me alcança. Tombo no chão e não vejo mais nada.

Simplesmente acordo nervoso.

Sonho recorrente, mas que [in]felizmente parou de acontecer já há tempos, mas a questão mais imprescindível da história toda ainda não foi dita.
Acho que todos conhecem RadioHead. Eu não conhecia muitas músicas deles, mas no acontecimento deles virem ao Brasil em março desse ano, entrei mais em contato. E foi aí que conheci a canção "There, There" e seu clipe.

Podem não acreditar [muita gente não acredita] mas fiquei em estado de choque quando assisti aquele clipe. É idêntico ao tal pesadelo! Idêntico, repito. As árvores secas, a floresta, os tons de preto-branco-cinza, o cenário lúgubre e solitário.
Fiquei abismado com tamanha bizarrice que procurei saber mais sobre o tal clipe.
Me dizem diversas coisas quando conto essa história.
Sim, foi impossível eu ter visto o clipe e ter ficado impressionado ao ponto de sonhar depois, pelo simples fato da música ser de 2003, época em que eu estava com meus treze, quatorze anos! E tenho o sonho quando era bem mais moleque, com uns dez como já disse...


Enfim, é só uma bizarrice da minha vida que já fazia tempo que eu já devia ter registrado nesse espaço.
Bom, pra terminar, tem que finalizar com o famigerado clipe, não? xD
There, There de RadioHead!
E até a próxima edição do "Sua Vida Bizarra"!
xD

"There, There" by RadioHead


*assistam no Youtube porque o vídeo não é autorizado pra Incorporação. Sim, eu sei: 'it sucks'.

2 comentários:

ƒℓą√!ø disse...

Realmente, na narração dá pra imaginar o clipe. Essa temática de perseguição, ansiedade, falta de cores também me é relativamente recorrente... Sei lá, na minha concepção podem ser 2 interpretações: 1) passado, presente e futuro. Só não sei quem está à frente e quem vem atrás de você; 2) você mesmo se cobrando em busca de um objetivo que mal sabe qual seja - tem a ver com toda a competição e desepero de atingir metas que geralmente não sabemos aonde nos levarão exatamente, mas entendemos que não se pode parar: "sai da frente que atrás vem gente". Como você mesmo interpretou, à parte da sensação bizarra?

Amanda disse...

mais uma bizarrisse hein ivanzito...agora sei pq você não dorme .......um belo filme podia ter continuação né.....eu quase nem gosto disse sabe um suspense...ahhahahah......cara deu até pra imaginar uma trilha sonora enquanto eu lia.......quando vc lançar a parte 2 avisa ai hein....ahhaah