21.6.10

O Carvalho & O Capim

Há umas postagens atrás, falei de meu carrossel desgovernado.
Bem, não quero de jeito nenhum dizer que não gosto da agitação, do stress, da movimentação.
Por um lado, odeio muito o marasmo, o tédio. Aliás, tédio é algo que não conheço. Sempre, sempre mesmo, acho algo pra fazer.
Engraçado isso.

Acho que o problema do tal carrossel nem seja a velocidade com que ele têm girado, e sim a quantidade de coisas e pessoas que se acumulam dentro dele. Sei lá.
"Tudo tem limite", como dizem.
Sou daqueles que não consegue se desligar, então, até certo ponto, gosto muito da agitação infernal do fim do semestre. Porém, enquanto os demais sempre se arrastam durante todo o fim do semestre, eu sigo forte até determinado ponto, porque depois desse determinado ponto, eu acabo.
Capoto. Desligo. Acaba a força geral. E não religo, impossível.

Sempre que penso nisso, lembro de dois conceitos muito interessantes que aprendi há algum tempo: Resistência e Resiliência. E como exemplo [clássico, por assim dizer] teríamos o Carvalho e o Capim. Agora imaginem.
O Carvalho é forte, bem preso ao chão por robustas raízes, alto, imponente, etc e tal, enquanto o Capim é pequeno, com raízes curtas, mole, flexível, minúsculo, etc e tal.

Qualquer vento balança o Capim, de um lado para outro, o tempo todo, porém, resiliente, ele sempre volta à posição inicial. Enquanto o vento não faz o menor efeito sobre o Carvalho, que permanece de pé, resistente. Todo mundo já deve ter visto isso.
Agora, quando um temporal se aproxima, os ventos aumentam de intensidade, a chuva precipita impetuosamente e raios, invariavelmente, caem.
Qual deles sobrevive então? O Capim, claro. Resiliente.
Tempestades e grandes provações sempre derrubam os carvalhos, causando grandes prejuízos, enquanto o capim sempre permanece ali. Uma hora ou outra, com a devida força, os resistentes [carvalhos] sempre caem.

A lição disso tudo?

É, eu sou o Resistente. ["E você?" eu diria.. HAHA]
Resisto sempre com todas as forças aos obstáculos e tudo mais, às vezes por longos períodos, mas quando caio. Caio, de vez.
Enfim, já foi muito desse post. Conclusões nubladas e tempestuosas... HAHA
E você, resiliente ou resistente? =P

3 comentários:

Hortencia disse...

Muita coisa em vc desde 2007 mudou. "Sou muito indeciso em praticamente tudo que aparece na minha vida..." na sua primeira postagem para "É, eu sou o Resistente." Talvez ainda haja indecisão com vc, mas agora algumas coisas tornam-se [certezas].
Abraços =]

Ianara Fernanda disse...

Acredito que não temos que escolher ou simplesmente ser somente uma das duas coisas. Necessitamos de resistência, mas um pouco de resiliência (porque não muita?) não faz mal a ninguém.
Temos que ser resistentes para não cair, mas, quando caímos temos que ser resilientes para nos levantar e tirar proveito da queda.
Muito bom o texto, nos faz refletir mesmo quanto a nossa relação com o mundo.

ethosemconstrucao disse...

Devemos nos moldar às necessidades que a vida nos impõe, meio que como um aprendizado de sobrevivência, sabe?
Gostei da tua dedicação, na descrição que fala do teu espaço... partilho do mesmo sentimentos!

Abraços
:)